Física Nuclear na Oceanografia

O carbono 14 é produzido na atmosfera terrestre e entra no oceano de forma lenta. O ambiente marinho possui também muitos carbonatos fósseis, cujo carbono 14 já decaiu, restando apenas os isótopos estáveis.

Assim, a concentração de carbono 14 no ambiente marinho é empobrecida nos oceanos e diminui com a profundidade. Correntes marinhas transportam diferentes assinaturas de 14C, de modo que este radionuclídeo pode ser usado no estudo da dinâmica oceânica.

Conchas de moluscos, corais, foraminíferos, otólitos de peixe e diversos outros organismos marinhos podem ser utilizados para estudar o chamado Efeito de Reservatório Marinho.

Leia mais sobre esse tema:

Macario, Kita, and Eduardo Queiroz Alves. “Efeito de reservatório marinho na costa do Brasil.” Quaternary and Environmental Geosciences 9.1 (2018). http://dx.doi.org/10.5380/abequa.v9i1.53210

Alves, Eduardo Q., et al. “The Worldwide Marine Radiocarbon Reservoir Effect: Definitions, Mechanisms, and Prospects.” Reviews of Geophysics (2018). https://doi.org/10.1002/2017RG000588

EnglishPortuguese